Moacyr

PESCADOR MOACYR E A COMPANHA DO PONTAL

Na Praia do Pontal destaca-se na paisagem o conjunto de “paióis”, coloridos, com área externa a beira mar para embarque e desembarque das “canoas de boçarda”. Estes são divididos entre 05 (cinco) proprietários, e seus herdeiros. E um deles, é do pescador Moacyr Correa de Carvalho e da sua “Companha”.

Moacyr Correa de Carvalho desde os 15 anos já restaurava e construía redes de arrasto da pesca tradicional. E, desde bem cedo, já trabalhava nas “Companha” de “canoas de boçarda” da Prainha, Praia Grande e na Praia do Pontal. Este saber-fazer foi transmitido pelo avô José Correa e pelo pai Moacyr Francisco de Carvalho (“Lima”) e por pescadores antigos como o Sr. “Onó”, Antônio Teixeira e Darcy. Além disso aprendeu desde cedo com a avó, tias, primas e vizinhas a fazer rede de pesca antigas e efêmeras de “gerbo” encomendada por donos de canoas da Praia dos Anjos.

Para Moacyr, torna-se necessário e urgente transmitir para os novos pescadores este saber-fazer tradicional diante das transformações das paisagens e dos impactos do turismo de massa. O mesmo enfatiza que uma “Companha” de “canoas de boçarda” vai sempre renovando seus membros. Ora por quê os antigos pescadores “morreram ou um ou outro envelheceu ou ainda outro parou de pescar”. Hoje, na “Companha” do Moacyr, pescam, frequentemente, na Praia do Pontal: Paulo Chinês, Dino, Dilzinho, Pardalzinho, Tainha, Ilmo… entre outros.

Todos os “paióis” da Praia do Pontal – assim, como, nas demais praias de Arraial do Cabo -, são considerados locais de trabalho onde se reproduzem as práticas de pesca a partir das vivências e das experiências atribuídas às identidades dos pescadores tradicionais e profissionais ligados por laços – entre gerações – de afetividade, memória, destreza, senso prático e por “saberes-fazeres”, nas distintas modalidades de pesca, por território.

Geralmente, os “paióis” são mais do que “barracões” em formato de alvenaria e de madeira aonde se guardam os petrechos de pesca e, também, como local de proteção das embarcações. Por excelência os “paióis” servem como abrigo, sociabilidade, transmissão do “saber-fazer” e para a segurança e proteção patrimonial. E, eventualmente, como local de encontro familiar para o lazer.

Em muitos destes locais, há sempre algum “mestre sabedor da cultura popular” – hábeis pescadores, vigias da pesca, artesãos em rede de pesca e carpinteiros navais – que dão sentido e vitalidade à pesca tradicional e aos locais de pesca.

No seu paiol oferta-se serviços de transmissão, reforma e de saber-fazer rede de arrasto com a “contação de causos” sobre a pesca tradicional. Atende o público aos sábados, ao longo do dia. Agendamento no local. Localiza-se na Praia do Pontal (“Companha” do Moacyr).

Contato: mestresabedores@gmail.com